Posts tagged ‘queda das bolsas’

Bolsas seguem abaladas com situação econômica

Quem pensava que tinha passado, se enganou. As Bolsas européias operavam em baixa nesta terça-feira em mais um efeito da preocupação dos investidores sobre a capacidade dos países de conter a crise, enquanto as praças asiáticas fecharam em forte queda.

Uma hora depois da abertura, a Bolsa de Londres perdia 1,56% e a de Frankfurt 1,57%. A situação era pior em Paris, com uma queda de 2,5%. Em Moscou, com a queda de 4,93% no índice RTS (em dólares) e de 4,92% no MICEX (em rublos), as negociações foram suspensas por uma hora. As perdas se somam às registradas na véspera. Na segunda-feira, Londres fechou em baixa de 2,38%, Frankfurt de 3,25% e Paris de 3,32%.

Os mercados continuam soferendo com os temores sobre a economia dos Estados Unidos, depois do anúncio da demissão de mais de 50.000 pessoas em todo o mundo pelo gigante bancário Citigroup e com a suspensão do plano de resgate aos bancos americanos.

A preocupação com a conjuntura econômica fez estragos maiores na Ásia. A Bolsa de Tóquio fechou em baixa de 2,28%, um dia depois do governo japonês ter confirmado que a segunda maior economia mundial entrou em recessão, assim como a Eurozona, Alemanha, Itália, Irlanda e Hong Kong. A preocupação com o crescimento econômico da China e os resultados das empresas, somada às realizações de lucros, fizeram a Bolsa de Xangai desabar 6,31%.

Anúncios

novembro 18, 2008 at 4:56 pm Deixe um comentário

Por que o investidor se incomoda tanto com a volatilidade?

Investidores atentos à volatilidade das ações

Investidores atentos e apreensivos

A quarta-feira (5) conduziu os investidores de volta à realidade de um mundo em crise: forte queda das bolsas e muita volatilidade. A exemplo de outubro, quando o índice Vix – referência de volatilidade no mercado norte-americano – bateu recordes históricos, o terceiro pregão de novembro foi marcado por retornos bastante distantes da média.

Em princípio, uma distribuição com caudas gordas, ou seja, de uma quantidade razoável de observações longe da média, não deveria causar maior espanto no investidor. Afinal, ganhar R$ 5,00 e depois R$ 15,00 é, em termos de retorno, equivalente a receber R$ 10,00 por duas vezes.

Portanto, assumindo neutralidade ao risco, não há por que se preocupar com um mercado mais volátil. Manter-se indiferente a essa variável, porém, é algo questionável e, por isso, é recorrente esperarmos algum grau de aversão ao risco.

O que é isso?
Formalmente, aversão ao risco implica uma função utilidade individual côncava. Isso quer dizer que a satisfação pessoal do investidor aumenta conforme ampliam-se seus retornos, mas as taxas do incremento são decrescentes.

Imagine-se morto de sede no meio do deserto. O primeiro copo de água lhe proporciona muita satisfação. O segundo também o deixa mais feliz, mas o ganho marginal é menor. O copo seguinte oferece uma adição ainda menor ao seu bem-estar.

Levando o argumento ao universo das finanças, ficaríamos muito felizes se partíssemos de R$ 100 mil para R$ 1 milhão e ainda mais contentes se chegássemos a R$ 1,9 milhão. No entanto, o ganho, em termos de satisfação pessoal, seria maior no primeiro processo do que no segundo.

Relação com a volatilidade
Trazendo a lógica para o contexto da volatilidade, diante de dois portfólios – um cujo retorno é sempre R$ 10,00 e outro que rende, na média, R$ 10,00 e apresenta uma distribuição simétrica em torno desse valor – o investidor avesso ao risco escolhe o primeiro.

Qual a racionalidade da escolha? No segundo caso, quando o investidor ganha R$ 11,00, ele fica mais feliz do que quando recebe R$ 10,00. Entretanto, quando lucra R$ 9,00 fica ainda mais triste – justamente pelo argumento de que a satisfação cresce conforme os retornos, mas a taxas decrescentes. Ou seja, a tristeza causada pela perda de R$ 1,00 (R$ 10,00 – R$ 9,00) é maior do que o benefício proporcionado pelo ganho de R$ 1,00 quando nos movemos de R$ 10,00 para R$ 11,00.

Se sua felicidade aumenta menos quando toma o décimo oitavo copo de água, opte sempre pelas carteiras menos voláteis.

novembro 6, 2008 at 11:43 am Deixe um comentário

Chove nos EUA e respinga no mundo inteiro

Dai Kurokawa, EPA - Chove nos EUA e respinga no mundo inteiro

Dai Kurokawa, EPA - Chove nos EUA e respinga no mundo inteiro

E não é que o macaquinho do post anterior tinha razão em continuar assustado? Os negócios na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) foram suspensos por 30 minutos nesta quarta-feira, depois que o principal índice da bolsa caiu 10 por cento, acionando automaticamente o circuit breaker.

O índice Ibovespa, aprofundou as perdas do dia na última hora de negócios, acompanhando a deterioração do mercado acionário americano. Às 16h59, na mínima do dia até então, o Ibovespa perdia 14,81%, aos 35.411 pontos. Em Nova York, o índice Dow Jones fechou em queda de 7,87%, a maior desde outubro de 1987, segundo informações preliminares. O Nasdaq perdeu 8,47% e o S&P-500 declinou 9,04%.

O pessimismo no mercado deve-se ao medo de que o mundo esteja à beira ou mesmo esteja já efectivamente em recessão. O crescente temor de uma recessão mundial voltou a afetar as Bolsas nesta quinta-feira, levando Tóquio a registrar o pior resultado em duas décadas e deixando a Europa em queda livre pelo segundo dia consecutivo, depois da quarta-feira de perdas históricas em Wall Street.

As quebras que foram registradas ontem surgem após a divulgação de alguns dados nos EUA que dão conta de um decréscimo de 1,2% nas vendas a do varejo em setembro. Os investidores estão reagindo às declarações do presidente da Federal Reserve, Ben Bernanke, que afirmou que mesmo com a estabilização dos mercados, a recuperação nos EUA não vai acontecer de forma imediata.

A economia americana vai se recuperar, porém lentamente. A afirmação foi feita nesta quarta-feira pelo presidente do Fed, o banco central americano. Ele garantiu que a economia do país sairá fortalecida da crise. Bernanke disse que os problemas na economia e nos mercados “são grandes e complexos”. Mas acrescentou que agora os Estados Unidos já dispõem das ferramentas necessárias para enfrentar as dificuldades.

Mercadinho nervoso, hein? O ilustre quis dar uma palavra de confiança na recuperação do mercado financeiro e deixou todo mundo nervoso. Literalmente.

outubro 16, 2008 at 11:12 am Deixe um comentário


Dados econômicos

IBOV
Gráfico IBOV
Dow Jones
Gráfico Dow Jones
Treasuries Americanos
titulos do tesouro americano
Óleo
Gráfico óleo
Petrobrás (Petr4)
Vale5
Grafico vale
ADR-Vale(RIO-p)
Grafico vale
Níquel intraday
nickel
Bolsa na Ásia
BOLSAS NA ÁSIA

analise fundamentalista analise grafica de açoes análise gráfica análise técnica análise técnica de ações aplicar em ações aplicar na bolsa aplicar na bolsa de valores aprenda a investir em açoes aprender a aplicar na bolsa de valores aprender a investir em ações açoes açoes da bolsa de valores açoes em alta ações da Petrobrás ações de empresas brasileiras ações na bolsa BM&F Bovespa bolsa de valores Bolsa de Valores de São Paulo Bovespa capitalização da Petrobras carteira de ações Comissão de Valores Mobiliários compra de ações compra e venda de açoes comprar ações comprar ações da petrobrás curso Análise Gráfica curso de investimentos em açoes curso gratis de açoes cursos de investimentos cursos de investimentos em ações Dow Jones economia americana economia norte-americana educação financeira fundo de ações fundos de investimentos ganhar dinheiro com ações ganhar dinheiro na bolsa home broker Ibovespa instituições financeiras investidor investidores investidores estrangeiros investimento de longo prazo investimento em ações investimento na bolsa de valores investimentos em ações investimentos na bolsa de valores investir em ações investir na bolsa investir na Bolsa de Valores investir no Mercado de Ações mercado acionário mercado de ações mercado de capitais mercado financeiro nasdaq novos investidores Oferta de ações da Petrobras o que é home broker pequeno investidor PETR4 preço das ações preços das ações queda das bolsas renda variável valorização das ações vender ações volatilidade do mercado Wall Street índice da bolsa de valores